O herpes é conhecido por ser um vírus, ele também é chamado de HSV-1 ou HSV-2 e pode ser dividido em três categorias: o herpes tipo 1, o herpes tipo 2 e a herpes zóster. Ela é facilmente passada para outras pessoas, tudo isso acontece com o simples contato de uma pessoa sem herpes no ferimento aberto de alguém que possui herpes.

Muitas pessoas também conhecem comumente como herpes oral, herpes simplex/herpes simples, herpes labial, herpes zóster e tantos outros nomes que a denominam. Ela é uma doença transmitida pelo vírus responsável por ser oral, genital ou zóster, tudo isso vai determinar como é causada mesmo quando em período de dormência.

Cerca de 2/3 da população mundial, mais de 3 bilhões de pessoas possuem o tipo 1, enquanto mais de 47 milhões tem o tipo 2. É bem provável que você tenha herpes e nem sabe que possui esse vírus, portanto, veja aqui todas as informações sobre esse tipo de vírus tão comum.

› › › Clique Aqui e Conheça uma Forma 100% NATURAL para Eliminar a Herpes

Herpes: quais os tipos que existem?


Veja abaixo quais são os tipos de herpes que existem, como eles acometem a população e muito mais. Além disso, vale a pena lembrar que não existe cura definitiva, apenas a dormência das lesões da herpes uma vez que instalada no corpo.

Herpes do tipo 1


Herpes do tipo 1

O tipo 1 da herpes geralmente afeta a mucosa bucal e o entorno dos lábios. Com este tipo é normal sentir muita dor, vermelhidão e bolhas na região, sendo que pode ocorrer até dentro dos lábios. Porém esse vírus também pode afetar a gengiva, a faringe, a língua, o céu da boca, a parte interior das bochechas e em alguns casos mais raros até as bochechas na parte de fora, o pescoço e até o rosto. Isso incomoda o bem estar da pessoa afetada com o aparecimento das bolhas com o simples tipo da doença em modo ativo, isso é herpes.

É preciso ficar atento quando há lesão ativa, é nesse momento que a herpes pode ser transmitida facilmente através do contato com a ferida aberta, além de que também podem piorar com o contato ao sol e poluição, é preciso cuidado nessa fase de maior porte de incidência do vírus.

Esses incômodos geralmente são diminuídos e aliviados com o uso de pomadas tópicas ou medicação oral, tudo de acordo com a indicação médica. As lesões costumam ficar aparentes e incomodando durante o período de 7 dias.

Os sintomas da herpes vírus HSV-1 é fácil de ser identificado, principalmente ao redor da boca, ele pode causar danos temporários e não se cicatrizar caso não tratado.

Como é a transmissão?

A transmissão desse tipo de herpes é feita quanto as lesões estão em modo ativo e visíveis. É preciso evitar o contato com as feridas abertas, não compartilhar copos, talheres e até batons. E obviamente, não beijar a pessoa com o vírus ativo, a saliva também é contagiosa, mesmo que seja genital ou oral herpes, não importa se é o simplex vírus, se em fase de contágio pode se multiplicar facilmente.

Esse tipo de herpes afeta cerca de 80% das pessoas, porém é o que mais tem casos de infecções quando não tratado corretamente. O vírus quando “adormecido” não é tão infeccioso (mas ainda assim é contagioso), porém quando está “aberto”, há aumento de até 1000 vezes de sua quantidade, o que torna o contágio muito maior do que antes.

O tempo de incubação do vírus pode variar entre 2 até 25 dias, porém normalmente as lesões levam cerca de 5 dias para aparecer após a contaminação. Porém não são todas as pessoas que sentem os sintomas comuns da doença: apenas 20% sentem efeitos colaterais, enquanto 80% convivem normalmente com a doença durante anos e nem suspeitam da existência da mesma.

Como é o tratamento?

Uma pergunta clássica quando pensamos em herpes é se ela tem cura: não, ela não tem cura. Há tratamento para amenizar o surgimento e incômodo das bolhas, além de acelerar o processo de cicatrização e evitar que possíveis complicações ou pioras aconteçam. Isso é a mesma coisa para o caso da oral e genital herpes, 1 HSV, 2 HSV, quaisquer os tipos de herpes são contagiosas.

Quando acontecem as inflamações, é indicado o uso de antivirais especializados para herpes logo nas primeiras 72 horas de aparecimento do vírus, eles reduzem consideravelmente o tempo de contágio e também dos sintomas.

Caso existam crises recorrentes de herpes, é indicado o uso diário dos antivirais, até que a situação se estabilize. É recomendado o uso de Aciclovir ou Valaciclovir. ambos não apresentam problemas quando usados pelo período de um ano.

› › › Clique Aqui e Conheça uma Forma 100% NATURAL para Eliminar a Herpes

Herpes do tipo 2

Herpes do tipo 2

Conhecido também como herpes genital, ele é considerado uma DST – Doença sexualmente transmissível. Ela afeta a região genital e em alguns casos também os órgãos genitais tanto de homens quanto mulheres. É perceptível pela vermelhidão, coceira, ardor, bolhas e ardência ao redor da vulva, do pênis e do ânus, em casos mais avançados pode atingir as nádegas e até a parte da virilha.

Esses são os primeiros sintomas e tratamento logo deve ser procurado para tratar herpes, a região genital pode ficar completamente afetada, por isso o uso de medicamentos virais é tão importante para tratar herpes na maior parte do corpo.

Esse vírus ocasiona muito ardor ao urinar e no momento da relação sexual, aumentando também as chances de se adquirir outras doenças sexualmente transmissíveis incluindo a AIDS. Geralmente as crises de herpes duram 1 semana e não exigem nenhum tratamento além do uso de pomadas tópicas ou comprimidos destinados.

Como é a transmissão?


A transmissão da herpes tipo 2 é feita por meio da relação sexual desprotegida, isso inclui sexo oral também. Por isso o uso de camisinha é tão indicado. O diagnóstico da herpes é feito facilmente pelas feridas que aparecem e pela falta de remédio contra vírus.

A herpes genital não é transmitida por roupas compartilhadas, toalhas, piscinas e nem em banheiros, é preciso ter contato direto com a região genital da pessoa afetada.

É importante que se entenda que não é necessariamente necessário ter a lesão aberta para adquirir a herpes, mesmo que o vírus esteja “adormecido”, ele ainda é transmitido.

O tempo de incubação do vírus varia de 10 até 15 dias até aparecem os primeiros sinais da doença. A primeira “crise” é a mais agressiva, isso porque o organismo ainda não adquiriu anticorpos contra o novo membro do corpo humano. As outras aparições do vírus ficam mais brandas pelo desenvolvimento de defesa.

Como é o tratamento?

Assim como a herpes tipo 1, não há cura para a herpes 2, porém ela pode ser tratada, controlada e assim “adormecer” por mais tempo. Geralmente é feito o tratamento com antivirais, que servem para acelerar a cura das lesões e assim aliviar os sintomas e complicações da doença.

Os medicamentos mais usados para o tratamento da herpes genital são: O Aciclovir, o Fanciclovir e também o Valaciclovir. Em mulheres grávidas é indicado o uso de Aciclovir, que não apresenta reações e é considerada segura nessa fase da vida feminina.

Herpes Zóster

Essa é a versão da herpes conhecida como uma infecção viral em todo o corpo, ela provoca bolhas de uma dor muito intensa e toma conta de toda a pele. Ela pode aparecer em qualquer local do corpo, porém é bem mais comum de ser encontrada no rosto e também no tronco. Essas lesões aparecem em formas de “faixa” em um lado do corpo.

Ela é ocasionada pelo mesmo vírus da varicela-zóster, conhecido por ser o mesmo vírus da catapora. Isso acontece quando alguém que já teve essa doença fica com o vírus adormecido no corpo.

O herpes-zóster não apresenta riscos para a saúde, porém pode diminuir a capacidade física do membro que foi afetado. Existe vacina para a prevenção da doença.

Os primeiros sintomas da doença podem apresentar dores no local mesmo antes do aparecimento das lesões na pele, um ardor e formigamento na região, calafrios e também problemas gastrointestinais. Muitas pessoas costumam conhecer a herpes do tipo zóster como o cobreiro.

Como é a transmissão?

A herpes zóster pode acontecer em qualquer pessoa que em algum momento da vida teve catapora. Isso acontece porque o vírus permanece alojado no organismo durante anos, podendo em algum momento ser reativado e aparece em forma de erupções cutâneas.

Não há uma explicação clara sobre o seu aparecimento, porém geralmente acontece quando a imunidade está baixa. É importante frisar que o vírus da herpes 1 não é o mesmo da herpes 2, eles tem apenas o mesmo nome.

O contagio é raro, porém ainda é possível para pessoas que não estão imunizadas contra a herpes zóster com a correta vacinação. Isso pode acontecer por meio de um contato direto nas lesões da pele. Desse modo a pessoa desenvolve primeiro catapora e depois está suscetível ao aparecimento da herpes zóster.

Como é o tratamento?


Não há tratamento para a herpes zóster, porém o tratamento pode diminuir drasticamente as crises no corpo e prevenir assim complicações.

Quando o tratamento com remédios é feito antes das complicações, o sumiço das bolhas é mais rápido e menos doloroso.

Esse tratamento é feito por meio do uso de antivirais para redução da dor e das lesões, alguns medicamentos para dor localizada e banhos frios e refrescantes para alívio das bolhas.

Processo de aparecimento e descanso

As lesões começam a dar os primeiros sinais de que vão aparecer por meio formigamentos, dor e até mesmo uma coceira intensa na região. Quando ela está propícia a ficar infeccionada, é comum o surgimento de febre e mal estar também.

Elas viram então pequenas bolhas elevadas no local, vermelhas e que costumam doer. Depois desenvolvem pus no seu interior, estourando e virando úlceras. Depois disso ela irá cicatrizar normalmente em forma de crosta, porém é preciso o uso de pomadas e medicamentação para acelerar o processo.

Porque acontecem as “crises” de herpes?

As crises de herpes acontecem de diferentes maneiras de acordo com cada organismo e pessoa, porém é bem comum que elas surjam quando a imunidade está baixa.

Isso normalmente acontece em crises de estresse, de depressão, com alguma outra doença alojada no corpo. Ficar muito tempo exposto no sol também ajuda no aparecimento das lesões, portanto use filtro solar e proteja-se.

Decorrência das crises de herpes?

Geralmente aparecem algumas vezes no ano, porém a frequência varia de cada organismo. Porém conforme os anos vão passando e o organismo vai se acostumando com os vírus, as recorrências vão ficando cada vez menores e mais distantes uma das outras.

Como é o diagnóstico da doença?

O diagnóstico é feito por meio de análise clínica, com o uso de exames de lesões e também observação dos sintomas que surgem. A fase em que se tem bolhas é a mais indicada para a coleta do material para a análise.

A sorologia e o exame de PCR – detecção do DNA de cada vírus -, é feita por meio de uma coleta simples de sangue, destinada para diagnosticar e encontrar o vírus causador das infecções.

› › › Clique Aqui e Conheça uma Forma 100% NATURAL para Eliminar a Herpes

Fases da herpes no corpo

Existem 5 fases conhecidas do herpes, veja aqui quais são elas:

  • Primeira fase: é considerada a fase do “prurido”, é a sensação de coceira, ardor ao redor do local afetado.
  • Segunda fase: onde aparecem as bolhas depois de alguns dias, esse é o primeiro sintoma visível do vírus se manifestando.
  • Terceira fase: as bolhas ficam mais intensas e começam a estourar, formando assim úlceras. É a fase mais dolorosa e de maior índice de contágio.
  • Quarta fase: há a formação das feridas, é comum que se descolem, gerando assim muito sangue, dores, coceira e ardor.
  • Quinta fase: finalmente a cicatrização do herpes.

Prevenção do herpes


Há maneiras de se prevenir do herpes com algumas medidas simples, veja abaixo quais são elas:

  • Cuidados no contato íntimo: evite contato com a pessoa contaminada por meio da saliva, pele, lábios e perdigotos.
  • Compartilhar objetos: toalhas, louças e lâminas é uma indicação de cuidado para pessoas que tenham o sistema imunológico baixo ou pré disposição para a doença.
  • Sexo desprotegido: isso inclui sexo vaginal, oral e anal.
  • Não tenha contato com feridas de herpes.
  • Procure se proteger do sol caso tenha herpes.

A vacina para a prevenção do herpes inclui somente a herpes zóster, as outras duas só são prevenidas por meio dos cuidados simples.